9 de setembro de 2016

O Coração da Esfinge - Colleen Houck

Livro: O Coração da Esfinge
Deuses do Egito #2
Autor (a): Colleen Houck
Número de Páginas: 368
Editora: Arqueiro
Compre aqui.

Sinopse: Lily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido sua maior aventura. Mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar.
Depois que Amon e Lily se separaram de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos – aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia a recorrer à energia vital dela mais uma vez.
Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos.
Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar esse objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso.
Nesta sequência de O Despertar do Príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas.

RESENHA por Luciana Corrêa da Silva.

Oi gente, como vão?

A resenha de hoje é do segundo livro da série Deuses do Egito, escrito pela Colleen Houck e publicado pela editora Arqueiro. Eu acho que se vocês pararem o que estão fazendo, talvez ainda me vejam olhando para a tela do meu kindle… Sim, eu ainda não acredito em tudo o que vivi com esse livro.

(recomendo a leitura do primeiro livro antes deste, temos resenha aqui)
Este segundo livro segue com a história de Lily e os mistérios em que se envolveu desde que encontrou uma múmia em um museu. Lily conseguiu vencer a desolação em que ficou depois de quase morrer e de perder seu amor. Ela prometeu aos pais que fará tudo o que eles quiserem, que irá para a faculdade que eles querem e que será ajuizada e feliz com o destino que eles escolheram para ela. Lily decide passar as férias junto da avó para lá renovar as energias antes que sua vida mude completamente. Instantaneamente sente-se envolvida pela atmosfera rural, pelo carinho da avó e o calor aconchegante da casa e dos animais.

Então logo nas primeiras noites, enquanto tenta expurgar seus sonhos ruins, ela sonha, ou melhor, acorda com Anúbis pedindo a sua ajuda. Ele acredita que Lily e Amon estejam ligados para todo o sempre, por um artefato que ele a entregou assim que se sacrificou. Amon foi banido para o mundo dos mortos e lá permanece em terrível aflição. Em sua imortalidade ele luta pela vida contra seres terríveis, que o machucam e o esgotam, pois agora ele não está mais poderoso e forte como antes.

Tudo piora quando Lily descobre que para enfrentar os perigos, que incluem a destruição total da humanidade, ela terá que deixar de ser quem é para se tornar outra pessoa, um ser totalmente poderoso, dotado de força e agilidade. Ela será uma Esfinge.

Conseguirá Lily lutar contra tudo e contra todos para salvar seu amor e, em consequência, seu mundo e sua humanidade? Conseguirá a perseverança da nossa mocinha vencer os piores pesadelos e atribulações?

...De novo me perguntei por que tive de fazer uma coisa idiota como me apaixonar por uma múmia.
Num relacionamento normal eu só precisaria emprestar algum dinheiro ao cara, dar uma carona ou ajudar com o dever de casa quando ele se encrencasse. Com Amon eu precisava voar com deusas, me defender de avanços amorosos de divindades e ser caçada por superferas. Mesmo assim eu sabia, no fundo do coração, que arriscaria qualquer coisa por ele. A chance de estar de novo com Amon valia cada sacrifício que me pediam.

Eu sei que a partir desse momento gerarei muitas discordâncias de opinião, mas esse livro não me prendeu. Foi uma luta ler até o final, eu fiquei chateada, amargurada e triste com o destino dos personagens nesse livro. Lily é fantástica e eu adoro mocinhas que sabem rir de sua própria desgraça, mas dessa vez acho que a autora exagerou. Ao mesmo tempo em que Lily se transforma em algo maior e muito mais rijo diante das dificuldades, elas são tantas que não nos permitem acreditar na veracidade de tudo o que ela vive.

São demasiadas as cenas de luta e de dor, mesmo para quem gosta de uma aventura, feito eu. Amon, o motivador de toda a minha vontade de ler a série, mal aparece e quando aparece está destruído e sofrendo, pior que um condenado, pelo simples fato de ter obrigações sem nem saber porquê.

Os personagens que já conhecemos no primeiro livro aparecem bastante, pois os irmãos de Amon, Asten e Ahmose ajudarão como podem, mas nem assim o livro foi empolgante ou animador. As cenas de tristeza são tão reais, a dor de estar no inferno, rodeada de demônios, terra e cinzas são tantas que quase cuspo um tijolo quando livro acabou.

Desculpem minha amargura, mas fiquei com sentimento de derrotada com as intempéries preparadas pela Colleen, uma autora que gosto e admiro muito. O livro está bem coeso e bem escrito, mas deixou algumas lacunas que terei que esperar pela continuação para entender e isso também me chateou. É claro que eu ainda não desisti e que lerei o próximo livro para tentar tirar esse amargo da boca, vocês sabem que eu não desisto fácil, kkkkk.

Obrigada por ler, até a próxima.

Deuses do Egito:
02. Deuses do Egito.
Outra capa:



Um comentário

  1. Lu, olha só...
    Acho que não vou ler esse livro, eu confio na tua opinião e não me senti atraída por ele, estou com medinho... talvez depois que sair o terceiro eu leia.
    A Carol vai começar a leitura e depois conto o que ela achou.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir