8 de fevereiro de 2017

Ligeiramente Perigoso - Mary Balogh

Livro: Ligeiramente Perigoso 
(Slightly Dangerous)
Os Bedwyns #6
Autor (a): Mary Balogh
Número de Páginas: 338
Editora: ASA (Portugal)
Compre aqui.

Sinopse: Wulfric Bedwyn, duque de Bewcastle, é um lobo solitário. A única coisa que o leva a aceitar o convite para uma festa privada é a expectativa de uma noite calma entre velhos amigos. Não contava encontrar mulheres, a grande maioria à caça de... um duque. E contava muito menos que o seu olhar se detivesse na única que não manifesta qualquer interesse por ele.
Christine Derrick é viúva e não tem paciência para jogos. Além disso, não está minimamente interessada em ser amante do gélido Wulfric. Mas as circunstâncias acabam por juntá-los em várias ocasiões, e a verdade é que a atração entre ambos é inegável. A personalidade efervescente e ousada de Christine surpreende o duque, e desperta nele um sentimento inédito. Agora, apenas o amor satisfará a ânsia que o consome...
O derradeiro volume da inesquecível saga Bedwyn é uma imperdível história de desencanto, amor e redenção.
O desfecho perfeito para uma série inesquecível!

RESENHA por Luciana Corrêa da Silva.

Oi pessoal, como vão?

Hoje trouxe para vocês o último livro da série Bedwyns, na versão portuguesa. Ligeiramente Perigoso é uma publicação da Editora Asa, selo da Leya, e edição do mês de janeiro aqui em Portugal. O livro tem uma pitada sensacional de Orgulho e Preconceito, e vou contar pra vocês o que achei dessa lindeza.


Os Bedwyns estão todos felizes e realizados, cada um vive com sua família em suas casas. Todos estão fora de Londres, o que faz com que as crianças tenham uma vida melhor e mais saudável no campo. Tudo está bem, mas o taciturno e solitário Wulf, pela primeira vez na vida, não está lá tão contente assim. Ele sente falta dos irmãos; não que ele convivesse muito com eles, mas sente falta do barulho que eles faziam na casa. Agora está tudo tão quieto, tão calmo, ele tem todos os afazeres tão em ordem e em tempo, que não sabe mais o que fará para sair da calmaria. Algo o incomoda...

As coisas pioraram muito depois que Wulf perdeu sua amante. Rose foi sua companheira de diversão por mais de dez anos e, desde fevereiro, ele parece vazio, cansado de procurar por algo que não faz tanta diferença assim na sua vida. Ele sente-se a cada dia mais parecido com o que sempre foi, um lobo solitário.

Ele não está em seu perfeito juízo quando aceita passar quinze dias em uma festa no interior, em casa de Lady e Lord Renable. Ele foi convidado pelo irmão da dona da casa e, pela primeira vez em muitos anos, aceita passar uns dias fora de casa, em uma reunião festiva com pessoas agradáveis e com “quase” a mesma condição social que a sua. O que Wulf não sabe é que lá encontrará mulheres, em sua grande maioria à caça de um belo casamento, e quem melhor que um Duque?

Assim que chega, Wulf é surpreendido por uma limonada que cai em seu rosto, do copo de uma moça que o espiona de cima da escadaria. Ela é Mrs. Derrick, uma viúva, amiga de Lady Renable que lá está para fazer um favor para a amiga, já que o convidado inesperado do irmão desemparceirou os casais. Ela aceita participar da festa, mas está muito contrariada, pois não faz mais parte desse mundo depois que seu marido morreu e a deixou sem nada. Ela vive em Hyaccinth Cottage, um vilarejo próximo, com a mãe e a irmã solteirona.

… Entre todos os cavalheiros que podia convidar para vir com ele tinha logo de escolher um que coloca qualquer anfitriã em apuros…
– O príncipe de Gales? – sugeriu Christine com um risinho.
– Não posso dizer que alguém desejasse a sua presença – retorquiu Melanie –, embora ache que seria uma sorte tê-lo. Mas é um bocado menos do que isso. Não, o meu hóspede inesperado vai ser o Duque de Bewcastle.

Christine sabe que tudo o que fará durante esse tempo todo é ficar a um canto, passando o mais despercebida possível. Acontece que Christine tem uma personalidade forte e decididamente desastrada. Ela é alegre, jovial, amável, mas a coitada parece ter um ímã para confusões e mete-se em sarilhos constantemente e, assim, tudo o que ela menos quer acontece, ela chama a atenção do Duque de Bewcastle.

Agora ele está decidido a tê-la a qualquer custo e todos sabem que quando Wulfric quer, consegue. O que ele não sabe é que Christine não tem interesse algum em ser amante do gélido Wulf e muito menos deixar de lado sua vida interiorana e sua liberdade.

Gente, eu ainda estou abismada com esse livro. Que livro maravilhoso! Que encerramento de série fantástico! Não sei bem o que direi a vocês, ainda estou a escolher as palavras corretas e tentar não me desesperar, kkkk. Estamos diante de um dos casais mais poderosos e incríveis de todos os livros, de todas as séries de romances de época já publicados. Christine e Wulf são os opostos dentro de uma sociedade limitadora e que impõe regras e obrigações. Ele é o personagem mais esperado de toda a série e sentimos por ele estar tão mais solitário e tristonho.

Assim, quando ficamos felizes por ele se interessar por alguém, por uma mulher maravilhosa, ela não quer saber do que ele pode lhe dar. Ela quer mais do que dinheiro e poder, ela quer amor. E ele terá de mudar toda a sua vida em função dessa atração avassaladora que sente por essa mulher sem um pingo de classe, de discrição e de freio nas gargalhadas.

É lindo ver a transformação (lenta) de Wulf, é espantoso o poder do amor, que fará com que saibamos mais sobre sua infância, suas memórias, sua consciência de família e do poder que tem.

Eu acredito que esse livro seja o melhor livro da série e talvez o melhor livro de romance que eu já li, mal começo o ano e já tenho um favorito. Acredito que deve ser lido, mesmo sem que não tenham lido nenhum dos anteriores, pois este é imbatível.

E contudo ele sentia nitidamente que estar assim sozinho com ela, dançar assim com ela, era mais do que ligeiramente perigoso.

Aproveitem, sai no Brasil logo, logo…

Beijinhos e até a próxima ;)

Os Bedwyns:
06. Ligeiramente Perigosos;


Outras capas:

   



2 comentários

  1. Como assim Wulf tá solitário, eu vou fazer-lhe companhia kkkkk. Lu, inveja branca de você que já leu esse livro que nem li e já tenho em alta conta <3 Pelo que vi da resenha, vou amar e favoritar também, quero conhecer Christine e ver mais de Wulf (os irmãos aparecem nesse livro?). A capa da edição portuguesa tá linda e sua resenha também Lu, só posso esperar agora que a Arqueiro não demore e publique logo por aqui para que eu possa ler também :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lili, tenho certeza de que vai favoritar também, o livro é um primor! É claro que os irmãos estão todos lá, felizes e contentes e só o coitadinho do Wulf é que tá carente e decidido a arranjar uma nova diversão, kkkk Acho que sai logo pela arqueiro, se não me engano eles até já agendaram... Beijo e obrigada por tudo, sempre <3

      Excluir