13 de junho de 2017

A Árvore dos Anjos - Lucinda Riley

Livro: A Árvore dos Anjos
(The Angel Tree)
Autor (a): Lucinda Riley
Número de Páginas: 496
Editora Arqueiro
Compre aqui e aqui.

Sinopse: Trinta anos se passaram desde que Greta deixou de morar no solar Marchmont, uma bela e majestosa residência na região rural do País de Gales. A convite de seu velho amigo David, ela decide retornar ao lugar para comemorar o Natal. Porém, devido a um acidente de carro, Greta não tem mais lembranças da época em que vivia na propriedade, assim como de boa parte de seu passado.
Durante uma caminhada pela paisagem invernal de Marchmont, ela encontra uma sepultura no bosque, e a inscrição na lápide coberta de neve se torna a fagulha que a ajudará a recuperar a memória.
Contudo, relembrar o passado também significa reviver segredos dolorosos e muito bem guardados, como o motivo para Greta ter fugido do solar, quem ela era antes do acidente e o que aconteceu com sua filha, Cheska, uma jovem de beleza angelical... mas que esconde um lado sombrio.
Da aclamada autora da série As Sete Irmãs, A Árvore dos Anjos é uma história tocante sobre amores e perdas, sobre como nossas escolhas de vida podem tanto definir quem somos como permitir um novo começo.

RESENHA por Katielle Borba.

Oi, gente!

A resenha de hoje é do livro A Árvore dos Anjos da autora Lucinda Riley e publicação da Editora Arqueiro.

Um livro da Lucinda é sempre motivo de emoção e, com A Árvore dos Anjos, não seria diferente. Este livro foi publicado originalmente em 1995, com o título Not Quite an Angel (Não Exatamente um Anjo) e, em 2013 surgiu a oportunidade da Lucinda relançá-lo. Segundo nota da própria autora, ela mudou praticamente toda história; eu já gostei do livro assim e fiquei imaginando como teria sido a história original. Mesmo com todas as mudanças e não conhecendo a primeira publicação, ainda acredito que o título original teria sido perfeito.

A história inicia no natal de 1985, com Greta e David indo passar a data festiva no Solar Marchmont junto de familiares. O solar foi um lugar de muitas vivências, histórias felizes e dolorosas e para Greta é difícil estar ali, pois ela não tem mais lembranças. Há muitos anos, após um acidente, ela perdeu a memória, porém essa viagem ao solar trará todas as lembranças esquecidas e talvez ela não esteja preparada para isso.

A Árvore dos Anjos é narrado em terceira pessoa. A trama é envolvente, gostosa e tem um toque de mistério e loucura que adorei. Como em outros livros da Lucinda, a história se dá no presente e no passado, e isso é algo que me encanta, pois a autora consegue envolver, divertir e ainda amarrar todas as pontas. Gosto das histórias da Lucinda porque nada é rápido, ela nos cativa, nos insere na história aos poucos e com 500 páginas ela consegue contar a vida de várias pessoas sem coisas mirabolantes, sem ser apressado e ainda nos faz ansiar por muito mais páginas quando o livro termina.

Greta e David se conhecem desde a juventude, agora com idade avançada eles ainda mantém a amizade, mesmo que Greta não lembre as coisas que eles passaram.  A história de A Árvore dos Anjos é contada desde que Greta tinha vinte e poucos anos, em meados dos anos 40; podemos acompanhar Greta em uma vida bem difícil, o sonho dela é ser atriz, mas isso parece longe de tornar-se realidade. A partir desse momento vivemos a vida de Greta, acompanhamos todas as suas escolhas e decisões e assim conseguimos julgar se o que aconteceria mais para frente era parte culpa dela ou não. E ainda temos o David que é parte importante de tudo, eles são amigos e ele será uma das pessoas mais importantes na vida de Greta.

Na história também temos a Cheska, filha de Greta. Nós a conhecemos desde o seu nascimento e a acompanhamos pela vida. Desde pequena a vida de Cheska é um sonho, ela vive o que muitas pessoas sonham em alcançar e não conseguem. Mesmo sendo feliz e tendo tudo o que quer Cheska tem um lado sombrio e que esconde muito bem. Ela passa por muitas coisas na vida, faz escolhas boas e ruins, mas algumas coisas que acontecem são de responsabilidade da sua mãe.

A trama do livro é muito boa. A história é diferente das outras que já lida autora, como já falei, ela tem uma pegada sombria e alguns acontecimentos me deixaram assustada. A autora nos faz questionar o que é certo e errado, nos faz pensar em como criamos os filhos, se todo sacrifício feito é válido, se lá na frente realmente não colhemos o que plantamos. Juro que tentei não julgar ninguém no livro, mas isso é muito difícil, ainda mais com tantas coisas ruins acontecendo.

A história é real, os personagens são carismáticos e torcemos para que todos tenham um final feliz. Os cenários descritos pela autora são encantadores e é impossível não querer passar alguns dias de inverno no solar Marchmont, em meio a tanta beleza.

A saga familiar dessas pessoas é maravilhosa, é difícil, e mesmo assim eles nunca desistiram da felicidade. Se você nunca leu nenhum livro da Lucinda está perdendo tempo; ainda me arrependo de não ter começado ler antes. Até aqui, todos os livros que li são lindos e sempre guardo uma mensagem boa.

Indico este livro para quem gosta de histórias envolventes, um pouco dramáticas, mas com final feliz. Lucinda Riley é sinônimo de emoção.

O amor é uma coisa muito estranha, Cheska. Ele pode mudar sua vida, fazer você fazer coisas que, à luz do dia, você saberia que estavam erradas.

Leitura recomendada.

Outras capas:

   




Nenhum comentário

Postar um comentário